Organização brasileira capta, em uma noite, US$ 500 mil nos EUA
12 de Setembro de 2017 às 07:00
Já faz algum tempo que uma festa nos Estados Unidos ganha anualmente destaque ao reunir personalidades brasileiras. Mais do que um simples encontro de ricos e famosos, trata-se de um jantar promovido por uma boa causa: a gala da BrazilFoundation, que capta em torno de U$ 500 mil, recurso aplicado em projetos no Brasil.

"As galas são uma tradição nos Estados Unidos. Todo mundo faz: museus, escolas públicas e privadas. Costumam ser o evento mais importante de uma organização. Não precisa ser um jantar: pode ser um almoço ou até um happy hour", diz a presidente da BrazilFoundation, Patricia Lobaccaro.

A organização foi criada em 2000 por brasileiros que viviam em Nova York. O objetivo era captar recursos com pessoas que moravam nos Estados Unidos e canalizá-los para o Brasil. "A maior parte do que conseguimos é por donor advisor: quem doa escolhe para qual instituição ou projeto o dinheiro vai", conta Patricia.

As galas começaram em 2002, trazendo recursos livres, que poderiam ser utilizados como a fundação quisesse. "Na primeira, reunimos cerca de 300 pessoas num happy hour, que teve boa repercussão e boa arrecadação", lembra Patricia. Desde então, o dinheiro captado é depois distribuído, via edital, para organizações brasileiras.

No ano seguinte, o que antes era um encontro grande, mas descontraído, transformou-se num jantar capaz de arrecadar até U$ 500 mil.

O dinheiro vem de fontes diferentes. Primeiro, há a venda de mesas para quem quiser participar e levar conhecidos. No dia, entre U$ 100 mil e U$ 200 mil são captados com doação ou com leilões – por exemplo, de viagens e itens de famosos (uniformes de jogadores, raquetes de tenistas...). "Grande parte das pessoas está ali porque alguém ou alguma empresa comprou uma mesa e as convidou. Deixamos então cartões para doação", diz a presidente da BrazilFoundation.

Uma quantia dessa ordem só poderia ser arrecadada com um evento grande, que reúne em torno de 250 pessoas. O segredo para botar de pé algo desse tamanho? Voluntariado. "Ele é a alma da BrazilFoundation”, diz Patrícia. Um comitê de voluntários, com umas dez pessoas, fica responsável por organizar o jantar e mobilizar sua rede de contatos. O conselho da fundação também se envolve.

Outro ponto importante é encarar a oportunidade como ferramenta de engajamento, uma maneira de atrair novos doadores. "O jantar é uma porta de entrada. Mas tem de cultivar o contato depois, manter a comunicação, convidar para eventos menores", ressalta Patricia.

Luxo com causa

As fotos das personalidades presentes – artistas globais, frequentadores das páginas de celebridades – e das atrações musicais (Fernanda Lima, Elba Ramalho...) podem dar a ideia de que tudo não passa de diversão. Ainda que seja, sim, um momento para celebrar, Patricia ressalta que "é preciso integrar a missão: as pessoas precisam saber o que estão celebrando, quais são as conquistas festejadas".

Isso não significa abrir espaço para discurseira. "Os participantes estão, de qualquer forma, numa festa, e não prestam atenção em discursos longos. Vídeos costumam funcionar melhor. Também homenageamos projetos parceiros."

Fazer um evento desse tamanho, com tantas atrações, não é barato – embora Nova York, com um terceiro setor mais consolidado, tenha muitas empresas que cobram menos de entidades beneficentes. A recomendação de Patrícia é que o custo não ultrapasse 25% do que se pretende arrecadar. A BrazilFoundation costuma ficar abaixo dessa faixa, inclusive porque consegue patrocínio para a ocasião.

O tempo para organizar também é uma questão. "O ideal é começar nove meses antes. Dá para fazer em seis meses. Já fizemos em três meses, mas aí fica muito corrido."

Com receitas como essa, os jantares da BrazilFoundation se consolidaram. O resultado pode ser medido pela arrecadação (a média é de U$ 500 mil) e pelos projetos atendidos via editais (mais de 500). Mas também pela disseminação por outros lugares.

"Desde 2012, a comunidade brasileira em Miami, que é grande, faz uma gala. Tivemos também em Cannes, no mesmo ano, em São Paulo, em 2014, em Minas Gerais, por causa da tragédia de Mariana, em 2016", conta Patricia.


Notícias mais populares

Gestão
Em agosto de 2017, a revista ÉPOCA e o Instituto Doar divulgaram a primeira ediç&...
Contexto e tendências
Criado para tornar mais transparentes as parcerias entre a administração públic...
Profissional captador
A captação de recursos é fundamental para a sustentabilidade de uma organiza&cc...