Como a contabilidade pode contribuir com a captação de recursos nas Organizações da Sociedade Civil
31 de Julho de 2017 às 07:00
A contabilidade há muito tempo deixou de ser considerada uma técnica de escrituração de fatos e documentos com o objetivo de calcular tributos e apurar resultados financeiros, e atualmente é reconhecida como um dos mais importantes elementos integrantes da gestão organizacional, inclusive nas entidades sem fins lucrativos.

Além de ser uma importante ferramenta para o planejamento e o controle, a contabilidade também é fundamental para o exercício da transparência, principalmente nas Organizações da Sociedade Civil - OSCs onde o processo de prestação de contas faz parte, ou deveria fazer, da rotina dessas instituições.

Na captação de recursos a contabilidade também tem muito a contribuir, seja oferecendo subsídios para a elaboração de orçamentos, seja controlando a utilização dos recursos captados ou apresentando relatórios complementares para a prestação de contas, possibilitando assim, o reinício desse ciclo. Quando se trata de transparência, além de divulgação das ações realizadas pelas OSCs (foco principal), também é importante a evidenciação da situação financeira daquilo que foi angariado através de relatórios que demonstrem não apenas valores captados, mas também quando e quem aportou, e onde e como foram utilizados os recursos para o atingimento do objetivo proposto.

Muitos doadores e investidores sociais deixam de iniciar ou repetir o aporte de recursos para entidades em virtude de não saber em que seu dinheiro será aplicado. Infelizmente no Brasil ainda existe a cultura da desconfiança, sendo necessário a todo o tempo provar honestidade e capacidade de realizar as ações, atividades e projetos. Apenas boa vontade e uma boa causa não são suficientes para uma eficiente captação de recursos.

A transparência espontânea, aquela realizada sem que haja a exigência por algum instrumento legal, pode ser o diferencial na atração e fidelização de doadores e investidores. As pessoas gostam de saber o que está sendo feito com os valores que foram cedidos. E por que não complementar as informações, com vídeos, fotos, publicações, postagens, com relatórios que indiquem o total arrecadado e os gastos realizados?

Não estamos falando aqui somente da publicação das demonstrações contábeis no site das organizações, as quais de forma isolada não trazem informações atrativas. A ideia é também extrair dados da contabilidade e elaborar relatórios que agreguem dados interessantes e estatísticos aos aportadores de recursos, como por exemplo: a quantidade de doadores/investidores pessoas físicas e pessoas jurídicas e o montante ou percentual doado por esses grupos; a localização geográfica dos doadores por cidade, região, país; a quantidade de doadores/investidores que contribuem de forma permanente, esporádica ou única e o percentual e impacto financeiro na receita geral da instituição...

Todos esses dados, que podem ser obtidos com o auxílio da área contábil, estarão contribuindo consideravelmente com o planejamento para as próximas captações, pois são interessantes para o controle e o mapeamento das prospecções, dos locais e dos mecanismos a serem aplicados. Além disso, quando divulgados proporcionam impacto positivo com relação à transparência das organizações.

A gestão das OSCs se transformou em uma atividade na qual é exigida competência, qualidade e bastante profissionalismo. Aquelas instituições que não se preparam para tal, acabam perdendo espaço, e o pior: deixam de captar e vêem escorrer pelos dedos recursos que são preciosos para o cumprimento de sua missão social.

O profissionalismo das OSCs deve incluir a área contábil, visto que questões sobre imunidade, isenções tributárias, titulações concedidas pelo poder público e a celebração de parcerias com a administração pública dependem da observância e aplicação dos princípios e normas brasileiras de contabilidade.

Além disso, as empresas que pretendem realizar doações diretamente para as OSCs, visando a obtenção dos benefícios previstos em leis de incentivo fiscal, contarão com o auxílio da contabilidade já que existem limitações percentuais e regras para que essas doações sejam deduzidas do lucro operacional ou diretamente do imposto de renda devido. Essa alternativa de captação de recursos pode ser influenciada e estimulada pela área contábil das OSCs, desde que os profissionais contábeis que atuem no terceiro setor tenham conhecimento suficiente para informar sobre o funcionamento do mecanismo para as empresas doadoras.

Que a contabilidade era importante para a gestão das organizações já tínhamos ciência, mas agora também identificamos que ela tem muito a contribuir com o processo de captação de recursos das Organizações da Sociedade Civil.
 


Nailton Cazumbá é Bacharel em Ciências Contábeis, Especialista em Contabilidade para Organizações do Terceiro Setor, e em Auditoria e Controladoria. Coordenador da Comissão de Contabilidade Aplicada ao Terceiro Setor – do Conselho Regional de Contabilidade do Estado da Bahia – CRC-BA e consultor em análise de prestação de contas na Universidade Federal da Bahia – UFBA. Sócio da Pauta Serviços Contábeis e Empresariais Ltda, membro do Grupo de Trabalho responsável pela elaboração do Decreto MROSC Bahia e colunista sobre Gestão no Terceiro Setor no Portal Nossa Causa e colunista e instrutor de Cursos na Escola Aberta do Terceiro.


Publicado por

Notícias mais populares

Gestão
Em agosto de 2017, a revista ÉPOCA e o Instituto Doar divulgaram a primeira ediç&...
Contexto e tendências
Criado para tornar mais transparentes as parcerias entre a administração públic...
Profissional captador
A captação de recursos é fundamental para a sustentabilidade de uma organiza&cc...