Em busca da verdade
23 de Abril de 2018 às 06:00
Nós profissionais de comunicação, marketing e captação de organizações da sociedade civil temos sempre que estar atentos aos comportamentos e atitudes das pessoas para melhor planejarmos nossas estratégias de captação, marketing e comunicação.

Há cerca de um mês foi lançado o relatório no Brasil do Eldeman Trust Barometer 2018 que mede a confiança nas instituições. O estudo revela que os índices de confiança caíram em todas as instituições no Brasil entre a população em geral. As maiores quedas aconteceram no Governo, que despencou 6 pontos, chegando aos 18%, e na Mídia, que perdeu 5 pontos, agora com 43%. As Empresas, este ano com 4 pontos a menos, e as ONGs, com menos 3, aparecem empatadas: ambas com 57%. Globalmente, 20 dos 28 países pesquisados, incluindo o Brasil, foram classificados como desconfiados em relação às suas instituições, ou seja, índices abaixo dos 50.

“Tradicionalmente, a confiança cai quando as pessoas estão com menos esperança sobre seu futuro e aumenta quando elas se sentem mais otimistas”, explica Cristina Schachtitz, líder de Engajamento Corporativo na Edelman. “Nesta edição, os dados revelam um mundo polarizado em relação ao sentimento e é um desafio às organizações navegarem nesse ambiente com realidades tão díspares”, completa.

Este sentimento de desconfiança não é uma novidade. A pesquisa de Doação Brasil do IDIS de 2016 já apontava um cenário até mais dramático que este com míseros “26% das pessoas que concorda que as ONGs são confiáveis”.

Ou seja, precisamos melhorar as ações que construam e mantenham a confiança dos diferentes públicos que nossas organizações se relacionam. Essas ações são de comunicação, relacionamento, demonstração de resultados, prestação de contas, com processos claros e consistentes. A ABCR em parceria com a ESPM Social e IPSOS estão conduzindo uma pesquisa sobre comunicação e marketing das OSCs, que será lançada em 8 de junho deste ano e poderá dar indicativos de como estão as práticas do setor e o que poderiam ser pontos de melhorias. Vale ficar atento.

Mais um outro ponto de atenção no relatório da Eldeman foi a drástica queda de confiança na mídia, incluindo produtores e plataformas de conteúdo. O estudo aponta o fenômeno do fake news, a proliferação de notícias falsas ou distorcidas com um papel importante na queda da confiança tanto da mídia quanto nas outras instituições (Governo, Empresas e ONGs).

58% dos brasileiros não sabem diferenciar o que é verdade do que é mentira e 75% têm medo que as fake news sejam usadas como armas.

Em meio à crise de confiança e às fake news, a recomendação é de que as instituições se posicionem de maneira transparente - “a confiança só será recuperada quando a verdade voltar para o centro do palco. As instituições devem atender ao apelo do público para fornecer informações precisas e oportunas e se juntarem ao debate público”.

Deixo vocês com o vídeo feito pela Agência Lupa e outras oito plataformas de checagem de fatos do mundo que foram às ruas para saber se a verdade ainda importa. Assistam à resposta…. https://youtu.be/BWVACtDFRiA


Marcia Kalvon Woods é comunicadora social formada pela ESPM, com mais de 18 anos de experiência no 3 o setor, como gestora e especialista em investimento social. É vice-presidente da SAAP - Associação dos Amigos de Alto dos Pinheiros, membro dos Conselhos Curadores da Fundação Stickel, Deliberativo da ABCR e Consultivo do Instituto Doar.


Notícias mais populares

Gestão
Em agosto de 2017, a revista ÉPOCA e o Instituto Doar divulgaram a primeira ediç&...
Contexto e tendências
Criado para tornar mais transparentes as parcerias entre a administração públic...
Profissional captador
A captação de recursos é fundamental para a sustentabilidade de uma organiza&cc...